Patologia de Obras

Ruina, no estudo de patologias, é o estado de um elemento da obra ou toda ela, quando não cumpre mais o papel a que foi destinado. Se uma porta está emperrada ela entrou em ruina pois não serve mais como porta. Se a porta é de acesso e serve como segurança da casa, se a fechadura não funcionar, a porta está em estado de ruina. Não precisa estar desmoronando para ser caracterizada como ruina. Assim, patologias como umidade, gerando a proliferação de mofos alergênicos, podem causar a ruina de quartos de dormir, dado que não servirão mais para uma pessoa normal dormir sem ser afetada em sua respiração. Seguem-se inúmeros exemplos em que a justiça precisava ser mais ágil na exigência de providências por parte de causadores de sinistros, vez que ruinas e ruinas existentes não estão caracterizadas como desmoronamento, mas são ruinas, porque o elemento projetado não serve mais para a função originalmente projetada para ele.

“pela obra se identifica o autor”

Esta máxima dos ditos populares exemplifica como pode um perito identificar as causas prováveis de determinado dano existente na obra. Os tipos de fissura, trinca ou rachadura dão o caminho lógico dos esforços que, por excederem à capacidade de resistência do elemento estrutural, ou parede, levam-no a romper, causando trincas e fissuras. No caso mais grave podem ocorrer rachaduras, via de regra trespassantes (de um lado ao outro do elementos). Estas usualmente são as mais graves porque denotam estado de premente desabamento.

Casos reais de Patologia e suas causas.